(im)pulso
Seguir o Blogue

An impulse is stronger than reason.




posted : 21 de janeiro de 2012
title : uma carta escondida.
21 de janeiro de 2012 / 19:31
Deixei a escrita de parte, pensando melhor, deixei tudo de parte. Não me questionem porquê, não vão obter resposta, porque nem eu a tenho. Houve quem reclamasse, quem dissesse que eu teria esquecido sua existência, mas quantos se lembraram de mim? Eu sei, não se preocupem, eu sei bem quem se lembrava de mim, sei quais amizades guardar numa caixinha a sete chaves. Mas sabem, as pessoas tem medo, vergonha ou em alguns casos as dois coisas. É mais fácil esconder e ser forte sozinha, do que dizer que "estou mal, preciso de vocês." Orgulho, oh! meu maldito orgulho. Vocês conhecem-me, alguns até me conhecem tão bem como a si próprios. Caí um milhão de vezes durante estes tempos, e não revelei, não mostrei, o meu orgulho impediu-me de pedir um simples abraço. E com isso, na verdade até cresci... sim, aprendi a ser forte, aprendi a lutar sozinha, aprendi a levantar-me e a segurar quem mais precisava de mim... e estava a precisar disso. Mas no fundo, soube retirar da minha vida quem me escondia o caminho certo com as suas mentiras, que me iludiam a cada passo que dava. Não se assustem meus anjos! Eu sei que me afastei, sei que há quem diga que estou mais fria, mas se vos escrevo é porque é de vocês que preciso do meu lado! Pode ser a quilómetros de distância, pode ser até na casa ao lado, não me importa. Só preciso de saber que vocês vão estar presentes, que vão me dar na cabeça cada vez que eu estiver valorizando algo que nem valor tem, quando voltar a rastejar por sentimentos que não são recíprocos, acordem-me para a realidade quando virem que estou a entrar num pesadelo vestido de sonho! Mas uma promessa aqui fica feita, promessa para a vida: em qualquer momento, eu vou estar presente para vos segurar ou até mesmo levantar. A vossa cabeça deve estar a pensar: "é mais uma daquelas promessas banais que nunca são cumpridas". Mas não vai ser assim, mesmo que algumas amizades tenham o seu ponto final, eu sou incapaz de vos ver mal, e sabem porquê? Porque de qualquer maneira, no passado, no presente ou no futuro, vocês contribuíram para eu ser quem sou hoje. E agora, deixem de parte as preocupações, pois, eu aprendi a lição, decorei-a bem e estou melhor... por outras palavras, estou mais forte. Resumindo, um sincero obrigado por nunca se esquecerem da nossa amizade, independentemente do tempo, da distância ou da falta de palavras.